Festival Bem Ali: Pra todo nós

1 abr

_MG_1768 (1)

Palmas está crescendo. Isso não dá pra ser contabilizado apenas por causa da quantidade de prédios, de novos estabelecimentos comerciais ou universidades que estão surgindo, mas também por causa do nascimento de ações e atitudes que ajudam a incentivar e fomentar a cena underground da cidade.

Sempre acreditei que, quando o que está longe do mainstream começa a ganhar espaço, podemos dizer que estamos nos estabelecendo como contracultura e isso significa muito para o desenvolvimento de um povo. E quando falamos em povo isso tem mais significado pra gente porque, por morarmos em uma cidade planejada e super nova, a formação dessa identidade ainda está sendo concebida.

Por isso sempre fico feliz quando vejo a galera movimentando a cena, sempre! De qualquer forma é legal ver isso acontecendo, mas tudo se torna ainda mais legal quando a gente consegue ver os conceitos saindo do senso comum. Gosto da ideia de desconstruir os formatos de eventos a que estamos acostumados e também da apropriação dos espaço público para fomento da arte. Afinal, se está na rua e é de graça então todo mundo sai ganhando. O artista que pode mostrar o seu trabalho para o público diversificado e o público que acaba tendo contato com diferentes manifestações culturais podendo absorver tudo sem ter que gastar nada. É a melhor contabilidade!

Gosto também de perceber que a galera está agilizando pra fazer isso acontecer e não deixando a função, que deveria ser prioritariamente do gestor público  – e  que vem sendo deixada de lado por sinal (nossa secretaria Estadual de Cultural com autonomia acabou, não é mesmo?)  – morrer totalmente.

E é com esse intuito que uma galera de jovens se juntaram pra criar o Festival Bem Ali, que ganha sua segunda edição neste sábado, 02/04, maior e mais ampla, com shows no Espaço Cultural de graça pra toda a população.

Depois de uma bem-sucedida experiência na Praça da Árvore, com o evento rolando do fim da tarde até à noite e com apresentações musicais sem parar, a Árvore Seca Produções realiza a segunda edição do Bem Ali que promete vir maior, com mais apoios e até bandas de fora do TO.

Como em sua primeira edição, o formato do festival é bem democrático. Existem as bandas fixas na programação que se apresentam por convite da produção e o palco aberto, onde as bandas locais podem fazer sua inscrição e se apresentarem. Que oportunidade não é mesmo? Pra todo mundo que tem um projeto musical com ensaios regulares é uma chance de ouro, afinal, se tem uma coisa que o público palmense gosta é de festivais abertos, gratuitos e em locais públicos (aqui vale lembrar dos pioneiros da ideia, a galera que organizava o festival ‘A Próxima é Minha’ e o miscigenado ‘A Rua se Mistura’).

Pra gente ficar por dentro de como tá a programação pra essa segunda edição, o Blog da Ciça conversou com uma parte da Árvore Seca Produções, os produtores culturais Bruno Sato e Davi Pery. Conversamos sobre como foi a experiência do primeiro evento, o objetivo dessa galera, os planos pro futuro e como vai ser essa edição! Ficou curioso? Então bora lá? Bem ali!

Essa é a segunda edição do Festival Bem Ali. Como foi que nasceu a ideia de criar o evento?
Bruno Sato:
 A ideia da criação do festival bem ali surgiu da necessidade de uma mudança e incentivo maior ao cenário musical de Palmas, criando assim, oportunidades para que as bandas da região se apresentem e saiam do anonimato.

_MG_1791

Como foi a experiência da primeira edição? Saiu tudo como vocês planejaram? Quais foram as maiores dificuldades e quais foram as coisas mais legais que rolaram?
Bruno Sato: A experiência que tivemos foi a melhor possível. Nem tudo saiu como o esperado, mas no final do evento, acabou surpreendendo as expectativas do grupo. A maior dificuldade foi a falta de experiência. Em contrapartida a receptividade do público durante e após o evento foi magnífica.

Davi Pery: A experiência da primeira edição do festival Bem Ali foi incrível, com muita aceitação do público e mensagens positivas durante e depois do evento, o que tornou o festival inesquecível para a Árvore Seca Produções. Em grande maioria nós conseguimos efetuar o festival como tínhamos planejado, desde os horários das bandas até a logística da estrutura. A maior dificuldade do evento foram os primeiros passos a serem tomados, sem um norte inicial de como fazer um evento do que diz respeito a parte burocrática, andamos muito em círculo a princípio, porém tivemos como grande ajuda alguns servidores públicos que nos ensinaram como e onde ir atrás dos tramites burocráticos. A coisa mais legal sem dúvida alguma foi ver as pessoas presentes no evento se divertirem, a cada sorriso visto por nós organizadores. A cada manifestação de alegria, nosso coração se enchia de felicidade e aumentava a vontade de fazer mais pela cena da música local.

Quem é a equipe do Bem Ali? Como cada um se envolve pra fazer o festival rolar?
Davi Pery: 
A equipe do Bem Ali é formada por um grupo de amigos onde todos têm voz ativa de decisões em todas as áreas e os que possui mais experiência em áreas especificas ficam responsáveis por achar soluções para possíveis problemas ou sugestões para a agregação de características diferencias para a melhoria do evento.

_MG_1778

No formato de festivais gratuitos com apresentações ao ar livre, Palmas teve como pioneiro o festival ‘A Próxima é Minha’, que como vocês, começou na Praça da Árvore e depois também migrou para o Espaço Cultural. Depois disso, a galera já se movimentou e também criou o A Rua se Mistura, que tem uma pegada de integrar gêneros, porque dá muito espaço para o hip hop também. Eu sou uma defensora da ideia de que pra coisa funcionar todo mundo precisa participar de tudo, os artistas precisam ir nos eventos de outros artistas, e os organizadores precisam aprender entre si, e assim o público vai perceber que tá todo mundo unido e claro, vai querer frequentar todos os eventos. Como é isso com vocês, vocês acompanham a cena independente de Palmas? Como vocês se relacionam com o que acontece culturalmente na cidade?
Davi Pery: Com a maior parte do grupo essa história de conhecer a cena e participar sempre aconteceu desde a adolescência (como público). Hoje somos ativos na cena como organizadores, o que nos proporcionou um contato com as bandas e com os organizadores que não era tão intenso na época que estávamos do outro lado. A Árvore Seca Produções pensa da mesma maneira sobre a colaboração. Quando fizemos o primeiro evento o público gostou e os mais antigos da cena também, o que nos proporcionou abrir nosso leque de relações. Dessa maneira procuramos sempre dar a contrapartida marcando presença nos eventos underground de palmas e participando também no que for possível. Também abrimos espaço em nossos eventos para parcerias e apoios, na segunda edição já iremos contar com mais marcas alternativas da cidade além de outras parcerias que dizem respeito a questões estruturais do evento e envolver mais o público como por exemplo a campanha de arrecadação de alimentos.

No próximo domingo vai rolar a segunda edição do festival. Como está formatada essa edição? No que ela se difere da primeira? Quais as novidades pra essa edição?
Davi Pery: Neste sábado, a segunda edição do Bem Ali vem com algumas novidades para o engrandecimento principalmente da cultura no geral da cidade de Palmas. Diferentemente da primeira, além de música, estaremos movimentando a cena esportiva da cidade no que se refere ao skate, onde a Rasta como parceira nossa no evento, estará disponibilizando uma pista de skate para o acontecimento de um campeonato e com horário livre. Além disso conseguimos fechar com mais parceiros para movimentar e diversificar os estandes dos produtos que serão comercializados, como roupas, artesanato, entre outros. E o mais importante como novidade no evento é a campanha social de arrecadação de alimentos que serão doados para uma instituição de caridade, onde os doadores irão estar concorrendo a prêmios cedidos por lojas apoiadoras do evento.

Quando vocês pensam no futuro da cena independente cultural da cidade, como vocês gostaria que a coisa estivesse daqui alguns anos?
Pensamos que no futuro, a cena independente vai estar maior justamente pela aceitação geral do público. Gostaríamos que as pessoas cada vez mais se interessassem pelo ramo artístico, justamente pelo fato de Palmas ter grandes artistas com talentos únicos, que acabam não mostrando seu trabalho por falta de espaço. E aqueles que ainda não se descobriram como artistas poderem ser inspirados pelas peças raras e preciosas que temos no nosso estado.

E voltando a falar do Bem Ali e da sua segunda edição, o que a galera que for no Espaço Cultural vai poder assistir no domingo? Quais as bandas que vão tocar no festival? Quais as atrações passam pelo palco do evento?
O Bem Ali irá contar com 6 atrações dessa vez. Teremos Wizened Tree com rock clássico, Zephyr’s Madness com estilo psicodélico, Four de Reis, banda que já está na estrada a mais tempo com blues rock. Essas são as atrações de Palmas. Em seguida teremos a banda Stanka de São Paulo que iniciará a turnê de lançamento do seu novo disco no Bem Ali e em outras apresentações pela cidade. O público também vai poder assistir as bandas Dry e Overfuzz da cena do rock’n’roll de goiana, que já tem público com expressividade em Palmas por causa do eixo Tocantins-Goiás. No palco aberto teremos diversos artistas locais. Lembro que as inscrições ainda estão abertas! Mas essas bandas eu não vou falar o nome, ficam de surpresa para o público que estará presente no dia (mas aviso que terão  muitos artistas bons!!).

A organização, no caso vocês da Árvore Seca, está com vários eventos planejados. Me contem os planos para o futuro desse coletivo?
Sim, a Árvore Seca não pretende parar por aqui! Novas edições do Bem Ali já estão sendo colocadas em pauta e ainda no mês de abril estaremos trazendo o Festival Grito Rock pra Palmas nos dias 16 e 17. Além desses projetos a Árvore Seca pretende explorar o cenário palmense de diferentes formas para engrandecer mais e mais a cultura da cidade e também do Estado.

flyercolorido

 

Serviço:
O que é: Festival Bem Ali  + Palco Aberto
Quando: 02/04
Onde: Espaço Cultural
Programação: 16h – Programação Palco Aberto by Fundação Cultural
20h – Festival Bem Ali
Entrada: GRÁTIS!

Apoio:
★ Fundação Cultural
★ Prefeitura de Palmas
★ MZN Filmes
★ Rasta Skate Shop
★ Alfredu’s Hotel
★ Piva Produções
★ Programa Revolução Cultural
★ Cactu’s Camiseteria
★ Agil Equipamentos e Estruturas
★ Doces Palmas
★ Vitória GEEK

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta